FBRFITNESS (1).png
animation (4).gif

Hipertrofia: Você está fazendo isso errado!



Você acredita que para ter hipertrofia você precisa romper fibras musculares durante o treino?

E se eu te disser que isso está errado? E eu vou te provar isso.

Eu sei que você deve estar pensando que a sua vida inteira foi uma farsa e que você foi enganado todo esse tempo, mas eu quero te tranquilizar que foi mais ou menos isso aí mesmo...


Eu sou o professor Fábio Rocamora, sou atleta de bodybuilding, treinador de outros atletas e personal trainer a 15 anos.


Seja muito bem-vindo ao Blog da FBR FITNESS, aqui você encontra tudo sobre treinamento, nutrição, mindset e tudo o que envolve o mundo da musculação, bodybuilding e fitness.


Antes de mais nada já deixa seu like. Essa informação que eu vou te passar aqui vai mudar sua vida e isso e o seu like impulsiona meu vídeo e vai fazer esse vídeo mudar a vida de mais pessoas.


Então vamos lá, eu vou tentar dar a explicação mais de boa possível e resumida possível, afinal, isso aqui é um post para o Blog e não uma aula de bioquímica metabólica ou fisiologia.


O que provoca a hipertrofia é o stress adaptativo e no treinamento nós temos esse stress adaptativo da Carga de Treino. E não, Carga de Treino não é o peso que você usa. Carga de Treino é o produto de intensidade vezes o volume de treino.


E se você quiser saber mais sobre intensidade e/ou carga de treino e como calculá-la eu vou deixar aqui tanto o post onde eu explico como calcular a carga de treino quanto o vídeo onde eu falo sobre intensidade para bodybuilding.


Beleza, essa Carga de Treino gera o stress adaptativo que por sua vez gera a adaptação que no caso é a hipertrofia.


Então temos um sistema onde o treino é o estímulo e a hipertrofia é a resposta adaptativa.


Para se adaptar o corpo demora um tempo que é proporcional ao stress que foi gerado pelo treino.


Agora nós precisamos entender como que funciona a adaptação da hipertrofia.

Primeiro eu vou te dizer que existem dois tipos de hipertrofia.


Dois? Sim, existem dois tipos de hipertrofia. A miofibrilar e a sarcoplasmática. Pra resumir, a hipertrofia muscular é quando você aumenta o volume musculare por adição de proteínas contráteis e a sarcoplasmática quando você aumenta o volume muscular por aumento do volume do sarcoplasma que é um como se fosse um saco que envolve a fibra muscular.


O sarcoplasma é o citoplasma da célula muscular, que é a fibra muscular. É nesse sarcoplasma que fica a creatina, água e uma porrada de coisa que agora não vem ao caso.


Se você quiser saber mais sobre os tipos de hipertrofia, eu vou deixar aqui o vídeo onde eu explico as duas hipertrofias.



O rompimento de fibra, microlesões ou como você queira chamar. Nome tecnicamente correto é dano muscular, é apenas um dos mecanismos de hipertrofia.


Por isso, enquanto você fica focando em causar o dano muscular, você está deixando de lado pelo menos outros 6 mecanismos de hipertrofia. O que faz com que seu progresso não seja tão rápido quanto deveria ou poderia ser.


Tudo isso tem a ver com uma via que talvez você já tenha ouvido falar, a mTOR.


Dentro dos dois estímulos, tensional e metabólico existem diferentes mecanismos que são acionados. Lembrando que nunca conseguimos um estímulo 100% tensional ou 100% metabólico, é sempre uma mescla dos dois em alguma proporção. Mas podemos manipular algumas variáveis para puxar o estímulo mais para metabólico ou mais tensional.


Se quiser saber mais sobre estímulo tensional e metabólico, eu vou deixar 2 vídeos aqui. É só clicar nos hiperlinks


No estímulo tensional nós temos o dano muscular e a mecanotransdução, como eu gosto de falar, de fora pra dentro, pois a tensão mecânica que os mecanorreceptores percebem é proveniente da contração da musculatura contra o peso.


No estímulo metabólico é um pouquinho mais complexo por conta dos metabólitos que são as substâncias resultantes das reações bioquímicas. Mas também não é nenhum bicho de 7 cabeças.


Nós temos também a tensão mecânica agindo, mas de dentro para fora pois o pump, aquele inchaço que a gente tem quando a gente treina, aumenta a pressão temos o estímulo do mecanorecptor e se você fizer uma oclusão ativa, você causa uma hipóxia que também sinaliza a hipertrofia.


Já do lado dos metabólitos mesmo, nós temos a liberação de HGH econsequentemente, o IGF-1, os indicadores inflamatórios Interleucina 6, os Ions de H+ e outros Radicais livres.


Se você souber manipular as variáveis do treino para acionar predominantemente esses mecanismos em uma ordem específica, você consegue promover o máximo de hipertrofia.



E se você tem interesse em aprender tudo isso de uma maneira mais tranquila, como eu estou ensinando aqui, eu tenho o FBR FITNESS CENTER, o meu Centro de Treinamento.


Ah, não Fábio, eu trabalho com outra coisa, não quero ter que estudar mais sobre treinamento, mas queria tirar proveito de tudo isso. Então eu tenho um grupo de elite onde eu envio treinos todo dia 15 de cada mês onde eu desenho os treinos para que eles ativem os mecanismos dessa forma.


Esse post não foi pra vender curso ou grupo de treino, não, tá? Eu só quero que você entre se fizer sentido pra você.


Mas e você? Sabia que não era só o dano muscular que causava a hipertrofia? Como será o seu treino a partir de agora? Deixa aqui nos comentários.


Se você gostou, não esquece de se inscrever no site.


A gente se vê no próximo Post!












Posts recentes

Ver tudo